• Luciana Gomes

CASE-SE COM O SEU POSICIONAMENTO


Eu amo marketing e vendas. Descobri isso com 16 anos. Na minha cabeça adolescente, o marketing era a melhor forma de mudar o mundo a partir da realização dos sonhos das pessoas. E pra falar a verdade, ainda acredito nisso. Comecei a minha “carreira” ainda com 16 anos, vendendo cosméticos de porta em porta. Falando assim parece bobagem, mas foi uma das maiores experiências sobre marketing e branding que já tive na minha vida.


Aprendi o poder da comunicação e persuasão nas dezenas de portas que tive que bater sem nem conhecer quem estava do outro lado, mas especialmente, aprendi o poder do relacionamento e das conexões humanas para o sucesso do meu negócio. Com o tempo a coisa deu tão certo que eu e minha sócia (minha mãe), montamos o nosso próprio estoque em um quarto lá da minha casa, alguns meses depois eu deixei o interior em busca dos meus sonhos mas levei na minha mochila uma grande lição: Pessoas se conectam com pessoas, e elas, estão mais interessadas no seu “porque” do que no seu “o que” ou “como”.


A verdade é que eu e a maioria das minhas clientes, nos tornamos grandes amigas, desde o início sempre deixei claro o porquê eu estava ali... Era “empresária” do ramo da beleza e fazia aquilo por paixão em ver as pessoas felizes e com seus desejos realizados, me fazia muito bem levar um item para uma esposa ficar mais perfumada para seu marido, ou vice versa, eu amava saber que o presente de aniversário daquele filho seria um dos meus produtos, levar essas sorrisos e esses momentos, era o que me realizava e eu deixava isso muito claro nas minhas abordagens (muitos achavam engraçado alguém tão jovem falar as aquelas coisas mas, o fato era que isso criava um vínculo muito forte com quase todas), elas gostavam de conversar, desabafar, contar da vida delas, dos filhos, do marido, isso para uma adolescente de 16 anos, mas sabe o que era mais legal? Eu tinha, e exalava, um interesse genuíno nas histórias dessas pessoas.


Mulheres que até ontem eram desconhecidas, me recebiam nas suas casas, me serviam lanches, e me tratavam como se fôssemos amigas de longa data, porque na verdade, era assim que eu me sentia, eu queria saber como estava “seu José” marido de uma delas, “dona Ana”, mãe de outra, “se Jorginho” tinha conseguido passar de ano, e sempre, eu disse sempre, lembrava das datas importantes para essas pessoas, aniversário (dela e dos familiares), aniversário de casamento, Natal, dia das crianças, sempre ligando ou visitando perguntando sobre quem era importante e dando “sugestões” de presentes. Muitas vezes elas me agradeciam: “Nossa, eu tinha esquecido que amanhã é meu aniversário de casamento, obrigada por me lembrar”, e aí vinha um baita pedido.


Quando eu fui embora algum tempo depois, teve até chororô. Foi lindo..risos...


Bom, o que que quero dizer com tudo isso? Marca Pessoal... As pessoas não se conectaram comigo pelo meu “o que”, afinal, todo mundo vendia Natura naquela época. Mas sim primeiro com o meu porquê: batia na porta, me apresentava com o discurso que falei acima, e quase todas se derretiam com o meu porque, mas não era só isso, eu ia mais fundo, eu sustentava esse “posicionamento” através das minhas ações no dia a dia, eu não podia falhar com aquelas pessoas então sim, se alguém me dizia que o filho estava doente, lá ia eu no dia seguinte ligar para saber se ele tinha melhorado. E assim os vínculos iam se criando...Meu Posicionamento inicial se sustentando, e eu ia vendendo igual a água.


Depois que eu fui embora, minha mãe ainda ficou um bom tempo recebendo ligação dessas mulheres, e vendendo para elas. Muitas ela tem contato até hoje.

Agora vamos à lição:


Seja profundo com quem você se propõe a impactar.


Como você tem buscado se conectar com o seu público? Que tipo de percepção você tem espalhado, ou melhor, que tipo de vínculo você tem se dedicado a criar?


Ser profundo é sobre “casar” com a sua audiência, com as pessoas que te acompanham (clientes potenciais ou clientes atuais). É sobre estar junto mesmo nos dias ruins, nos dias cansativos, nos dias chatos, nos dias que nada faz sentido. Marcas pessoais fortes se estabelecem com casamentos, casamentos de coerência, de autenticidade, de profundidade em tudo que se refere à gerar valor para o outro.


Viver na superfície é até simples, é como “ficar” com alguém em uma balada e no outro dia cada um vai para o seu lado, mas se contente com uma vida também superficial. Se ninguém se conectar com você, parar para te ouvir ou se identificar com você em um nível maior, é o preço. Se você quer sair do anonimato, ter autoridade e ser reconhecido na sua área de atuação, você precisa primeiro se casar com o seu sonho. Você precisar ser profundo.


Quando uma marca vive para “ficar” ela não cria vínculos.


Se você quer uma marca pessoal forte, reconhecida e lembrada você precisa se comprometer de verdade, casar-se com isso, entrar nesse barco pra valer, assumir um compromisso com o seu público, com você mesmo, mas principalmente... com a sua essência...Tem que ser verdadeiro e intenso.


Mas conquistar o seu objetivo é mais fácil do que você pensa porém, viver na superficialidade da coisa não vai te ajudar.


Se você deseja uma marca pessoal forte e expressiva, capaz de abrir portar, gerar oportunidades e levar a sua missão muito mais longe e para muito mais pessoas, a minha grande sugestão é: Comprometa-se. Ao invés de querer fazer tudo de forma rasa, superficial, colocando muitas vezes a culpa na sua falta de tempo, escolha a área que você vai focar, crie um vínculo real com tudo que diz respeito a ela, e avance sem parar.


Não adianta só querer, pensar, planejar e esmorecer, mudar o rumo ou desistir a cada desafio do dia a dia. Se isso é o que você deseja para sua vida, se esse desejo conversa com a sua alma assim como o que eu faço conversa com a minha, se de fato transformar vidas e ser conhecido e lembrado pela sua missão é o que você quer para você, CASE-SE COM O SEU PROJETO.


Está na hora de sair da inércia de apenas “ficar” e casar-se definitivamente com o seu sonho.

Está preparado?

Conteúdos que podem te interessar

Posts Are Coming Soon
Stay tuned...

"Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus." (2 Co 3:5)

© 2020 ENCOM ESCOLA DE NEGÓCIOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.